A palestra A Informação Editorial e a Transição Para o Digital reuniu dois dos principais influenciadores digitais do Brasil, a fashionista e blogueira, Martina Ritter e o publicitário, humorista e um dos maiores fenômenos do Instagram, John Drops. Os dois estavam muito bem acompanhados da jornalista e editora chefe das revistas Quem e Marie Claire, Andréa Dantas. Os três contaram as suas experiências dentro do meio digital e a relação o impresso e outras plataformas do jornalismo.

 

Não existe concorrência entre o online e o offline, eles se complementam. O maior desafio é como se sustentar no meio digital. Como se destacar entre tantas outras pessoas?  Segundo John Drops, procurar fazer o que gosta é a chave paraavançar. Isso não exclui o fato de que é preciso estudar, porque é necessário ter domínio de tudo o que é transmitido. “Para se destacar é preciso ser criativo e para isso é preciso estudar. E como em todas as profissões existem aqueles que são sérios e aqueles que não são sérios.”

Segundo a jornalista Andréa Dantas, os veículos precisam produzir conteúdo pensando em todas as plataformas. “Hoje as revistas não são mais revistas, elas são marcas. Estamos em todas as plataformas e temos também uma plataforma impressa. Essa nova geração vai ter que saber fazer tudo.” Além disso, segundo Andréa, o bom jornalista ele tem que ter várias outras habilidades. “Ele tem que ser técnico, tem que entender de métrica, ele tem que saber fazer vídeo, enfim, ser multiplataforma e até multiprofissional.”

Martina Ritter afirma que a credibilidade é muito importante, porque seus seguidores os seguem, porque querem saber a verdade sobre o que usar, sobre o que os influenciadores gostam. “É sempre muito importante eu trabalhar com marcas que eu acredito. Não é pelo dinheiro, é pelo o que eu gosto.”.

Segundo os palestrantes, os usuários gostam de se sentirem mais íntimos das pessoas pelas quais se inspiram, porque público quer saber quem está opinando. Os influenciadores digitais, os veículos e pessoas que querem estar na mídia não podem se desconectar.

Confira a reportagem:

Topo