Acessibilidade é a palavra da vez na 57ª Feira do Livro. Na biblioteca Moacyr Scliar, localizada no Cais do Porto, encontra-se um estande da Associação de Cegos do Rio Grande do Sul (ACERGS). O objetivo da ONG na Praça da Alfândega é expor seus livros digitais, apropriados para pessoas com deficiência visual. Esse é o primeiro ano que os chamados áudiolivros são exibidos na feira.
A ACERGS é pioneira na Região Sul na produção e divulgação desse novo produto. “O formato do livro é universal e possibilita ser escutado em um programa de computador, disponível na internet. É um livro acessível porque tem uma voz sintetizada.”, explicou Fabiana Bialoglowka, assistente social da ACERGS. Segundo a associação, até agora, são poucas as editoras que têm demonstrado interesse em trabalhar com esse tipo de projeto.

Fabiana reforçou que a acessibilidade ainda precisa ser tratada com mais importância na sociedade. “É realmente necessário que as editoras abracem essa causa. A pessoa com deficiência visual também gosta de ler e precisa ter produtos disponíveis para ela. É uma pessoa que consome também. Quando começarem a perceber que essas pessoas também têm direito a leitura e informação, vai ajudar muito. É uma questão de acessibilidade”, ressaltou.
Fabiana Bialoglowka, assistente social da ACERGS
Para a assessora da ACERGS, a comercialização dos áudiolivros na praça tem muito o que crescer. “Aqui na Feira são muitos estandes e nós somos os únicos que apresentamos esse material à venda. Todos já foram vendidos. As editoras devem se conscientizar que é um trabalho bom e traz resultado. Já vieram pessoas procurar para comprar e nós não temos onde indicar”, afirmou.

Segundo a assistente social, essa ausência de livros acessíveis é percebida no mercado como um todo, mas ela confia na reversão desse quadro. “A tendência é a evolução. Nós estamos aqui para que melhore essa condição, para que as pessoas cheguem à livraria e encontrem o que precisarem”, comentou.

A ACERGS existe desde 1968 e esse é o terceiro ano de presença na Feira do Livro. Nos anos anteriores eram apresentados livros em braile.
Topo