Não sabe o nome de um livro? Tem dúvida sobre quem é o autor? Para resolver este tipo de problema basta procurar o setor de informações da 57ª Feira do Livro. Afinal, são 150 bancas com diversas publicações, quase 30 oficinas, fora as palestras e sessões de autógrafos. Com tantas atrações, às vezes é preciso uma ajuda.
Iara Maria Ghidini Silva e Udi Dus trabalham no setor de informações. Elas são responsáveis por ajudar quem busca solucionar dúvidas no primeiro andar do Memorial do RS, na Rua Sete de Setembro. “A melhor coisa é sentir que fazemos parte de tudo isso. Estar aqui trabalhando, mesmo que a gente não participe de tudo o que acontece já me deixa feliz”, ressalta Udi Dus. “É como se a gente fizesse parte desse quebra-cabeça que é a Feira do Livro”, completa a vigilante do Memorial, que trabalha ao lado deste balcão de informações.
Iara Maria Ghidini Silva (à esquerda) e Udi Dus trabalham no setor de informações
Além do quiosque principal de informações sobre a Feira, que se localiza em frente à Praça de Autógrafos, existem vários outros pontos espalhados no evento dos quais as pessoas podem se orientar. Por exemplo, os “Localize-se” da Procempa que ficam em três extremos da praça. Sônia Rangel, técnica de informação da empresa, fica no guichê da esquina da Rua dos Andradas com a Caldas Júnior. Sônia diz que já trabalha há mais de 6 edições da Feira dando informações, o que a deixa muito orgulhosa. “O meu maior prazer é efetivamente poder auxiliar as pessoas que vem aqui. Às vezes elas não sabem o nome do autor, da editora, da livraria, e eu faço a busca e já oriento onde elas podem procurar. Dessa forma, me sinto útil e as pessoas perdem menos tempo buscando os seus livros e podem curtir mais a Feira”, comenta.

Porém, Sônia não conseguiu dar o seu passeio pela Praça da Alfândega ainda. “Amanhã estou de folga e quero vir pra cá passar o dia”, destaca. Segundo ela, o consenso entre os colegas do trabalho comprovam o seu depoimento. “Nós todos achamos que aqui é o melhor evento de trabalhar. Portanto espero poder sempre vir trabalhar aqui”, completa.
Topo