Carlos Wagner e Leandro Demori abordaram o tema do Jornalismo Investigativo no segundo dia de palestras da 5ª Semana do Jornalista da ESPM-Sul.

Carlos Wagner já ganhou 38 prêmios, sendo sete Essos Regionais, e é autor de 20 livros. Em sua palestra, destacou que o futuro para profissionais da área é ser referência em um determinado assunto, se especializar. Ele explicou também que o Jornalismo Investigativo não se aprende rápido, é uma luta diária para se ganhar experiência. O jornalista abordou os problemas enfrentados em sua profissão, como o custo alto para a produção das matérias, que muitas vezes desencoraja as empresas jornalísticas. Wagner falou, ainda, da repercussão que essas matérias causam. "Fui processado 18 vezes e venci todas. Quando eu pego o cara, eu pego o cara.", afirmou ele.

Em seguida, Leandro Demori tomou a palavra. Ele já trabalhou na TV Globo, nas revistas Galileu e IstoÉ, na Rádio France Internacional e hoje é editor no site Medium. Demori falou sobre sua principal área de interesse no Jornalismo Investigativo: as máfias italianas e a lavagem de dinheiro. O jornalista se especializou nesse assunto durante os anos em que viveu na Itália. “Jornalista investigativo tem que ser obstinado", afirmou ele. Ele comentou também sobre sua experiência como freelancer e mostrou a matéria que atualmente está escrevendo, sobre o trem-bala brasileiro. "Isso é uma típica história brasileira, uma farsa que acabou não saindo", destacou.

Os jornalistas foram questionados sobre como lidavam com a questão dos riscos que seu trabalho traz. “Correr riscos faz parte da profissão, mas se deve saber que se corre mais riscos ainda na hora em que você para. Acima de tudo, seja sempre leal, nunca dê abertura para o suborno.”, responde Wagner. Demori alerta para a importância de se proteger antes de sair para investigar uma matéria, avisando colegas ou amigos. “Nunca se deve ficar isolado, devemos procurar sempre nos proteger e manter contato”, afirmou.

A plateia se mostrou bastante participativa e interessada. “Eu não sabia muito sobre o jornalismo investigativo, mas me interessei e vou pesquisar mais a respeito”, disse a aluna do quarto semestre de jornalismo, Bruna Lima.

Confira a reportagem da HubNews
Topo