A 2ª edição do Simpósio Nacional de Rádio teve como tema de abertura "A necessidade do jornalismo nos tempos de redes sociais" ministrado pela jornalista e professora da Universidade Federal Fluminense (UFF), Sylvia Moretzsohn. O evento ocorreu no auditório I da ESPM-Sul.
A palestrante comentou sobre o uso das redes sociais e como muitas pessoas publicam fatos sem sequer conferir a veracidade. "Eu não acredito que uma pessoa consegue informações melhores do que quem trabalha em uma redação. Na internet, não se sabe quem está falando, quem é realmente a pessoa", criticou. Para Sylvia, a profissão do jornalista precisa ter como base o respeito à informação. "Quando a gente fala de necessidade do jornalismo, temos de lembrar da necessidade de um jornalismo com ética", alega.

Sylvia também defendeu a regulamentação da mídia. "Eu acho que deveria ter uma lei. A aprovar a regulamentação da mídia é complicado com o Congresso que se tem hoje, mas todos os países democráticos têm", alertou.

Sylvia aproveitou para contar como os jornalistas eram vistos no final da década de 70 quando buscavam a área de assessoria de imprensa. "Quando eu comecei a trabalhar, todo mundo criticava quem ia para essa área porque qual jornalista ia se sujeitar a ouvir sugestão e pauta", lembrou.

A professora destacou a sua opinião a respeito do assunto e explicou como Portugal aborda esse tema. "Assessor de imprensa não é jornalista. Bem, no Brasil é. Se formos, por exemplo, comparar com Portugal, lá o jornalista perde a sua carteirinha se vai trabalhar como assessor. Claro que se voltar a trabalhar em veículo, consegue de volta a autorização", salientou.

A convidada falou que o jornalista não é um mensageiro como algumas pessoas falam. "O jornalista é o produtor das notícias", comentou. Além disso, ela alertou no que é fundamental na profissão. "Objetividade é fundamental no jornalismo. Ele tem que ser fiel à verdade. Ele precisa ser referência de credibilidade", destacou.

Confira a reportagem da HubNews
Topo