Se no início dos anos 90 ver dinossauros nas telas dos cinemas foi algo completamente novo, hoje, com os avanços tecnológicos e superproduções, os filmes estão, cada vez mais, impressionantes e chamativos.
Jurassic World é um filme norte-americano, dirigido por Colin Trevorrow, que bateu o recorde histórico do Os Vingadores, de alcançar os 500 milhões de dólares em 23 dias, e que o filme conseguiu apenas com 17 dias, somente nos EUA. O filme está em quinto lugar de dez das maiores bilheterias da história nos EUA, segundo o Box Office Mojo, site americano que mostra a evolução das receitas das bilheterias.
Com efeitos especiais de surpreender e tecnologia de ponta, o filme conseguiu superar as expectativas para um quarto filme da franquia iniciada lá em 1993 com Steven Spielberg. O enredo não é inovador, os telespectadores sabem como a história vai acontecer, mas isso não é problema, porque o grande interesse do público é ver a superprodução e como vai se desenrolar a história.
O filme se passa em um parque temático gigantesco, na mesma ilha Nublar das longas anteriores, com áreas verdes onde os dinossauros ficam expostos para os visitantes. Com equipamentos de alta tecnologia, a administração do parque planeja um projeto de criação de um dinossauro híbrido, para compensar a queda de visitantes. O animal, chamado Indominus Rex, é assustador e incrivelmente avançado. Ele foge de alguma forma, causando terror e destruição no parque inteiro. O salvador da trama é o galã Owen Grady, interpretado por Chris Pratt, que resolve o problema junto da chefe de operações do parque, Claire Dearing, interpretada pela Bryce Dallas Howard, com uma interpretação menos idealizada de mocinha, que tenta salvar seus sobrinhos da grande enrascada. O filme alcança as expectativas de previsibilidade com cenas de ação e humor, além de fazer uma reflexão sobre assuntos como o tratamento de animais nestes parques temáticos.



A novidade do dinossauro com modificações genéticas é sua capacidade de camuflagem, sensor de calor e muitas outras habilidades manipuladas para ele. O fantástico trabalho dos cientistas só foi visto como um grande problema depois de mortes, terror e muita destruição. Mas, para quem vê, é instigante saber que algo tão assustador foi manipulado por humanos, e acredito que isso é o que dá um sabor a mais para a trama. Jurassic World é um filme e tanto, com uma sucessão de aventuras que consegue prender a atenção do telespectador e ainda deixá-lo de queixo aberto com os efeitos especiais. No final, é claro, tudo dá certo, e com um trabalho digno de muita pipoca.


Topo