Na terça-feira, dia 10 de abril, a Associação Riograndense de Imprensa promoveu o debate sobre o movimento “Deixa Ela Trabalhar”, liderado por jornalistas que denunciam o assédio às mulheres na cobertura esportiva. Alice Bastos e Kelly Costa, da RBS TV, Laura Gross, da Rádio Guaíba, Ana Carolina Aguiar, da Rádio Grenal e Renata de Medeiros, da Rádio Gaúcha e ex-aluna de jornalismo da ESPM Sul discutiram o tema com jornalistas, estudantes de jornalismo e convidados. A vice-presidente da Associação Riograndense de Imprensa, Cristiane Finger, conduziu o encontro que aconteceu no Salão Nobre da entidade.
A repórter Alice Bastos ressaltou a importância dos homens não se omitirem sobre assunto. ”A gente espera que eles venham, façam parte desse time e entendam a importância de deixar ela trabalhar.”
Para a vice-presidente da ARI, Cristiane Finger, lembrou de sofrer com os mesmos problemas relatados pelas jornalistas na campanha e acredita que o surgimento desse movimento de união das mulheres pode mudar esse cenário: “Fui repórter durante muito tempo e sofri todo o tipo de assédio, mas isso na década de oitenta.”
“O homem tem que se manifestar quando ele aceita a causa para vida dele”, complementou Renata de Medeiros. Segundo ela o discurso deve ser coerente com a prática.
Para a jornalista Kelly Costa, “as mulheres podem estar em qualquer lugar e desempenhando qualquer função”. Na sua opinião, o movimento pode incentivar as mulheres a não se intimidarem no ambiente de trabalho. “Façam com que esse machismo enraizado se torne combustível para que consigam realizar tudo o que querem”, defendeu a repórter.


Topo