O painel “Ações do Comitê de Combate ao Abigeato e Abate Irregular de Animais”, realizado na Expointer, abordou o tema e apresentou alianças para o combate à prática dos crimes rurais no Estado.

O Secretário da Agricultura, Ernani Polo, discursou sobre a ação que o comitê combate, apontando que o abigeato traz prejuízos ao produtor, ao estado e é um problema de saúde pública. “A nossa proposta é a partir da criação desse comitê é fazer ações integradas das secretarias de segurança, agricultura, saúde, fazenda e meio ambiente para que a gente possa usar a inteligência e diminuir essa criminalidade que acontece no campo”, explica Polo sobre a iniciativa do comitê.

A abordagem do grupo de combate ao abigeato é atuar em 12 regiões e formar núcleos para a gente possa estar mais perto da realidade, ver as peculiaridades de cada região, como na fronteira e na região oeste para atuar de forma mais peculiar em cada uma delas”, destacou Polo.

Ao longo de 23 anos trabalhando na Brigada Militar, diretamente ligado a tanto à parte operacional do patrulhamento rural, o Coordenador do Comitê de Prevenção ao Abigeato e à Carne Clandestina do Governo Estadual, Coronel Rogério Martins Xavier, complementou Polo ao esclarecer as metas do comitê. “O objetivo do comitê é organizar e integrar todos os serviços públicos voltados para a área rural do Estado, tanto na parte de segurança pública como defesa animal, sonegação fiscal e defesa sanitária. Para devolver essa percepção de segurança na área rural e minimizar toda a criminalidade que ocorre”, apontou.

Pedro Paulo Gonçalves, fazendeiro em Rosário do Sul, foi vítima de abigeato em sua fazenda do dia 20 de julho a 20 de agosto em Rosário, Gonçalves. “Na minha propriedade abateram 4 bois de 500kg, com 250kg de carne, isso dá 1000kg de carne. Não é carne pra uma família comer, não é um roubo famélico, teve alguém que receptou e revendeu. Na minha fazenda pegaram 6 vacas, na do meu amigo 6 vacas, em 30 dias, foram 36 abates na cidade” explicou.
    
Nos primeiros 4 dias, a Expointer conseguiu a participação de mais de 200 mil visitantes e arrecadou cerca de R$ 9 milhões. “Os senhores e senhoras são responsáveis por 38% do PIB brasileiro na agricultura”, contou Polo.
Topo